Material de Apoio

 Contabilidade
 Métodos de Escrituração
 Débito e Crédito
 Patrimônio
 Livros Contábeis
   Livro Diário
   Livro Razão
   Livro Caixa
   Erros de Escrituração
 Contas
 Balanço Patrimonial
   Ativo Circulante
   Ativo Não Circulante
   Redutoras do Ativo
 História da Contabilidade
 Biografias
 Mais conteúdos [+]

Pratique

 Exercícios resolvidos
 Exame de Suficiência (CFC)
 Provas de concursos

Ajuda

 Fórum de discussão
 Área dos Professores
 Glossário
 Dúvidas frequentes
 Softwares
 Cálculos On-line

Entretenimento

 Jogos de contabilidade

Diversos

 Curiosidades
 Profissão Contador
 Código de Ética
 Princípios de Contabilidade
 Convenções Contábeis
 Lei das S.A.
 Notícias
 Indicação de livros
 Fale conosco

Busca Geral

 

Nenhuma área do Direito deixa de envolver a contabilidade, afirma perito judicial
 

A ideia de que cuidar das finanças e da contabilidade não é coisa para advogados já não faz muito sentido. O profissional de Direito que domina outras áreas que não sejam apenas as técnicas que envolvem sua profissão ficam mais bem preparados para o mercado de trabalho. Entender de finanças e cálculos pode não apenas preparar melhor o profissional como auxiliá-lo a ter independência nos negócios. Para Luís Fernando Camargo, perito judicial e palestrante sobre gestão financeira e contábil na 10ª edição da Fenalaw, a falta de acompanhamento de um contador prejudica em muitos momentos, inclusive na hora de formular quesitos para o perito judicial. “Muitas vezes os quesitos deveriam conduzir o perito a alguns aspectos que sejam convenientes para a parte envolvida. Tem gente que pega os quesitos de outros processos e replica, mas são coisas diferentes. Cada processo tem uma história diferente”, afirma.

Para Camargo, Contabilidade e o Direito se complementam na medida em que o Direito discute o mérito da questão e o contador quantifica esse método. “Os profissionais do Direito de um modo geral discutem o mérito da questão. E só o contador é quem vai dizer qual é o valor do mérito. Por exemplo, você entra com uma ação contra um banco. Você acha que o banco te cobrou a mais. O juiz pode dizer que o contrato está viciado, que tem erros no contrato. Agora qual é o montante correto da sua dívida? É o contador que vai dizer”.

Para muitos especialistas, não existe um incentivo, desde a faculdade até no exercício da profissão, para que o advogado se interesse pelas questões financeiras que envolvem seu trabalho. Algumas noções básicas sobre contabilidade são imprescindíveis, como por exemplo, entender o princípio de competência do exercício, ou seja, as despesas precisam ser reconhecidas no momento em que o valor é agregado e não só no momento do pagamento. Porém, não existe entre os advogados de um modo geral a cultura de andar de braço dado com o contador.

“Muita gente escolhe a faculdade de Direito e acha que não vai ver matemática. Tudo bem, ninguém tem que conhecer de tudo. Mas faz falta essa cultura de o advogado reconhecer que não apesar de não ser a área dele, ele precisa ter uma parceria em todas as etapas do processo de seu trabalho, desde o início”, coloca Camargo.

Geralmente, os escritórios solicitam um contador quando o processo já começa a entrar em fase de execução. Muitos preferem fazer isso para postergar o gasto, mas também por falta de informação da relevância de se ater a isso desde o início. “As partes nomeiam um assistente técnico para dar o valor, que normalmente usam critérios diferentes para apurar esse valor. O juiz nomeia um perito contábil para dizer dentro do critério objetivo qual é o montante. Mas não existe uma cultura de já na preparação do processo apresentar um aspecto técnico dos cálculos”, finaliza o especialista.

Fonte: Portal Última Instância – UOL

 

Notícia do dia 02/10/13.
Fonte: http://www.portalcfc.org.br/noticia.php?new=10755
 

Curta nossa página nas redes sociais!

 

 

Mais produtos

Sobre nós | Política de privacidade | Contrato do Usuário | Anuncie | Fale conosco

Copyright © 2017 Só Contabilidade. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Virtuous.